Viña de Mar


Viña del Mar tem flores por todos os lados e tem o mar de fundo, colorindo tudo. Tem castelos e palácios, e já foi terra dos changos, de uvas e de ouro. É a vizinha bonita de Valparaíso, e atrai turistas e veranistas que buscam refrescar o calor do verão nas suas praias de águas geladas.

Um pouco de história

Voltando no tempo, em 1543 uma expedição do colonizador Pedro de Valdivia desembarcou no litoral de Valparaíso, onde já habitava uma tribo nativa chamada chango. Os nativos se mantinham basicamente da pesca e batizaram a região de Vale de Peuco, que significa “aqui tem água”. Valdivia dividiu as terras do Vale de Peuco em duas grandes fazendas: Siete Hermanas, chamada assim pelas sete colinas que cercam o vale, e Viña de la Mar, pelas plantações de uvas cultivadas naquelas terras. As fazendas foram compradas, e os changos também foram divididos como escravos. Entre as duas fazendas passava o rio Marga Marga, onde os seguidores de Valdivia encontraram ouro, e já em 1543 os espanhóis mandavam para o Peru a fortuna encontrada no leito do rio.

Passaram os anos e, em 1840, um comerciante português chamado Francisco Álvarez comprou ambas as fazendas e se casou com Dolores Pérez, uma jovem chilena que amava as flores. Juntos, eles cuidaram das terras e da família que formaram. Francisco morreu em 1843, e depois da sua morte, Dolores recebeu do filho, como um presente para confortar a sua dor, flores e plantas que ele trazia de suas viagens pelo mundo.

O crescimento

Em 1855 foi inaugurada a ferrovia, construída nas terras de Dolores. A nova linha ligava as terras de Viña de la Mar a Valparaíso e Valparaíso a Santiago, e pela primeira vez os chilenos puderam fazer um passeio turístico de trem. O tempo de viagem entre Viña de la Mar e Valparaíso foi reduzido a dez minutos, o que também fez crescer aceleradamente o movimento nas terras de Dolores.

Em 1870 a única herdeira das terras de Viña de la Mar era Mercedes Álvarez, a neta de Dolores, que se casou com José Francisco Vergara. Vergara era um engenheiro que participou das obras da linha de trem e que também elaborou o projeto para fundar a cidade, que passou a se chamar  Viña del Mar, em 1874. A estação de trem trouxe o desenvolvimento para a cidade, e logo começaram a chegar os veranistas que foram construindo as suas imensas casas, conhecidas como quintas. Os primeiros a construir as suas quintas foram famílias de ricos chilenos, seguidos de inúmeros imigrantes estrangeiros. Nessa mesma época, grandes obras foram construídas, como o Gran Hotel e o hipódromo, mas a principal obra de Viña del Mar foi o palácio Quinta Vergara.

Em 1906 um forte terremoto sacudiu Valparaíso, centenas de famílias precisaram se mudar para Viña del Mar e o movimento na cidade cresceu ainda mais. A instalação de uma base militar na praia de Salinas também favoreceu o crescimento de Viña. Castelos e palácios foram construídos, e em 1930 foi inaugurado o Cassino, na praça principal da cidade. Próximo de completar cem anos da sua fundação, Viña del Mar começou a florescer com belas casas construídas seguindo o estilo europeu. Os santiaguinos fizeram de Viña o seu principal destino de verão.

Em 1960 nasce o Festival Internacional da Canção de Viña del Mar, trazendo um importante movimento para a cidade com a presença de grandes artistas da América Latina. Roberto Carlos e Xuxa foram algumas das atrações brasileiras do festival, que até os dias de hoje é realizado no anfiteatro do parque Quinta Vergara, movimentando o mundo da música e do humor.

Em 1962 foi construído o Relógio de Flores para dar as boas-vindas aos turistas e torcedores do mundo todo que chegaram a Viña del Mar atraídos pelos jogos do Mundial, que teve o nosso Brasil como campeão. O Relógio passou a ser o principal cartão postal da cidade e ainda atrai incontáveis turistas que querem registrar a sua beleza. Em 1980 Viña se transformou em uma cidade universitária e ganhou a presença de jovens estudantes.

Te recomendo

Graças a Dolores que amava as flores, Viña del Mar também é chamada de Cidade Jardim. As suas praças são bem cuidadas e têm flores por todos os lados. Viña também tem um calçadão maravilhoso beirando a praia, tem restaurantes com o pé na areia, hotéis e apartamentos de luxo. Tem castelos que foram conservados e uma estátua original de um Moai, vinda diretamente da Ilha de Páscoa. Te recomendo algumas horas em Viña para conhecer as suas principais belezas, mas que te sobre tempo para passear no Muelle Vergara, um pier onde dá para entrar 260 metros para dentro do mar, e pelas laterais dá para descer até a areia e pisar nas águas geladas do oceano Pacífico, experiência linda de viver.

O Caminho

A Rota 68, a mesma que leva até Valparaíso e que passa pelo vale de Casablanca, é também a estrada que leva até Viña del Mar. O tempo até o litoral, partindo do centro de Santiago, é de uma hora e meia, sem paradas e em dias de baixo movimento. A viagem também costuma ser tranquila, e o caminho é cercado pelas belas montanhas da Cordilheira da Costa.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.