Chile no Inverno – Roteiro de 7 dias


Este roteiro de sete dias no #inverno é para você que quer sair nas andanças pelos belíssimos vales de plantações de uvas e viver as “ricas” experiências que as vinhas oferecem e, claaro, provar os seus divinos vinhos! Mas você também quer brincar [ou esquiar] na neve da exuberante Cordilheira dos Andes, passear pelo azul e gelado litoral do Pacífico e, conhecer os atrativos culturais e gastronômicos da cidade de Santiago.

A minha sugestão de passeios é para sete dias, mas você pode escolher conhecer somente os lugares que desejar. Os roteiros são flexíveis: você pode trocar um passeio deste roteiro por outro, de outro roteiro. E lembrando que os passeios são com transporte exclusivo e acompanhados de guia bilíngue [português e espanhol]. Os passeios não têm datas fixas, são realizados no período da sua viagem, você só precisa reservar as datas com antecedência para que eu possa te atender.

As belezas e delícias do Vale Central

Santiago é um vale cercado por montanhas e cortado por um rio que nasce na Cordilheira dos Andes. Uma cidade linda e moderna, com ruas amplas e arborizadas, parques, mirantes, bons restaurantes, shoppings e vinhas. Mas também é uma cidade onde a história, a cultura e a tradição tentam não sucumbir ao desenvolvimento urbano. No litoral do Oceano Pacífico tem Valparaíso, Viña del Mar e Isla Negra, praias onde o azul do mar se junta com o azul do céu, e o sol se põe num horizonte que parece ser possível alcançar de barquinho. Cajón del Maipo, Valle Nevado e Farellones são oásis escondidos entre as montanhas da Cordilheira dos Andes, e percorrer as suas curvas e os seus penhascos é uma vivência indescritível, com neve ou sem neve, de dia ou à noite. E tem os vales de Maipo, Casablanca e Colchagua: regiões com clima e solo extremamente favoráveis para o cultivo de uvas e produção de vinhos – os vinhos que amamos! Caminhar entre as plantações e provar das riquezas que cada vinha oferece, no cacho ou na taça, é uma experiência deliciosa.


Dia 1. City Tour + Concha y Toro

Te apresento o centro histórico de Santiago em um passeio por suas ruas movimentadas, suas praças bem cuidadas, seus monumentos e seus belos jardins. De forma breve, conto a sua história desde a sua fundação, em 1541. Por alguns lugares apenas passamos e, por outros, fazemos paradas para que você possa conhecer mais de perto o cotidiano de quem mora na principal cidade do Chile.

Logo de manhã, o passeio começa no parque e mirante do centro da cidade: o Cerro Santa Lucía. Daí seguimos até o Palácio La Moneda, passando pela Biblioteca Nacional e pelo Centro Cultural Gabriela Mistral (GAM). Depois do Palácio e um pouco da sua história, fazemos um passeio a pé pelo Paseo Bandera, pela Plaza de Armas e pelo Mercado Central. Seguimos de van  pelo Parque Forestal, passando pelo Museu de Belas Artes, e finalizamos o City Tour Centro no charmoso e gastronômico bairro Lastarria.

Depois do almoço, seguimos para a vinha Concha y Toro.

O tour

O tour Marques de Casa Concha é dividido em duas etapas: a primeira contempla um passeio acompanhado por um guia da vinha entre as plantações, pelo casarão da família e pelo belíssimo jardim em estilo europeu. Contempla também a degustação de três vinhos de linhas variadas e a visita ao Casillero del Diablo. A segunda etapa do tour contempla a degustação de mais quatro vinhos da linha Marques acompanhados de queijos, realizada por um sommelier.  O tour termina na loja, onde é sempre uma ótima opção aproveitar as promoções.

De brinde: uma taça com a marca da vinha e uma tábua de madeira.

Saiba

Nesse dia eu posso te acompanhar para fazer a troca de dinheiro em uma das casas de câmbio da rua Agustinas, onde se costuma ter os melhores câmbios. E também em uma loja Claro, para habilitar um pacote de internet no seu celular.


Dia 2. Farellones

Farellones é um pequeno povoado andino acomodado na grandiosa Cordilheira dos Andes. Além do parque, o povoado tem escola, comércio local e posto de saúde para o atendimento de turistas e para os moradores do pueblo.

O Parque

O parque, que faz parte do povoado, foi fundado em 1930 e de lá para cá foi ampliando as suas atrações. Hoje, Farellones é um parque de diversões para todas as idades e que oferece atividades de montanha durante todo o ano. No inverno, período entre junho e setembro, o parque recebe turistas do mundo todo buscando diversão na neve, principalmente quem quer aprender a esquiar. As pistas de Farellones são menos íngremes e menos sinuosas que as de Valle Nevado, por esse motivo são mais recomendadas para quem está começando. Além das pistas de esqui, tem teleférico, tirolesa, tubbing e bike na neve – diversão para quem não quer esquiar. Farellones também oferece hospedagem em chalés e hotéis, tem restaurantes e pequenas lojas de artigos de neve, roupa, acessórios e artesanato.

O Caminho

O parque Farellones está a 2.340 msnm e acomodado no mesmo cerro El Plomo onde está Valle Nevado. A estrada que leva até ele é a mesma que leva ao Valle, só que 22 curvas antes. O tempo para chegar ao parque também depende de muitas variáveis, mas em média é de uma hora, partindo da comuna de Providencia e fora da alta temporada do inverno. No inverno, para chegar ao parque as condições da estrada são as mesmas que para chegar ao Valle Nevado. Já nas outras estações do ano, o caminho também é mais tranquilo.

Saiba

O custo para se divertir um dia na neve é mais acessível em Farellones. Tudo é mais em conta que em Valle Nevado [hospedagem, atividades e restaurantes], bom motivo para escolher vir com a família ao parque de Farellones. E são tantas as atividades no parque que um dia inteiro pode ser pouco e até ficar aquele gostinho de quero mais. Também tem as filas para entrar no parque e as filas das atrações, por isso não escolha fazer Farellones e Valle Nevado no mesmo dia, principalmente no inverno.

Recomendo

Um dia de diversão na neve exige muita disposição, então, durma as oito horas recomendadas na noite anterior e tome um bom café da manhã antes de sair do hotel. E também se prepare para o frio da Cordilheira dos Andes nevada: roupas adequadas, luva e botas de neve são essenciais para você ter uma boa experiência. A melhor experiência!


Dia 3. Valle Nevado com piquenique

Dia de conhecer o famoso resort de Valle Nevado – que está a 3.000 msnm e acomodado na saia do Cerro El Plomo [aquela montanha que dá para ver de qualquer ponto da cidade de Santiago]. A estrada que leva até o resort é íngreme, sinuosa e estreita, são 62 curvas subindo as montanhas da Cordilheira dos Andes. No período do inverno, fazemos uma parada para o aluguel de roupas e botas de neve antes de começarmos a subir as montanhas. Já na Cordilheira, fazemos uma breve parada no mirante Tres Valles, a 1.800 msnm, tempo para fotos e para contemplar a paisagem lindíssima. No resort tem o passeio de gôndola, que oferece uma vista panorâmica das montanhas nevadas. Se você preferir, pode apenas fazer um passeio pelas áreas habilitadas para “visitantes de um dia”.

O piquenique

Uma mesa de delícias chilenas com uma seleção especial de vinhos acompanhados de pães, queijos, patês, geléias e outras “cositas ricas” será montada no lugar mais seguro  possível no caminho entre Farellones e Valle Nevado. A cada taça você vai descobrir a riqueza da enogastronomia chilena através dos seus sabores, aromas, cores e sensações. E ali, com as montanhas ao nosso redor e toda a beleza impressionante da Cordilheira dos Andes, vamos juntos desfrutar desse momento, que é um dos mais marcantes do passeio.

Saiba

No período em que as pistas de esqui de Valle Nevado estão abertas aos esquiadores, por uma questão de segurança o acesso aos turistas fica bem restrito, quase não tem por onde andar e brincar livremente na neve. A parada que fazemos para o piquenique é fora do resort, onde vocês vão ter mais liberdade para deitar e rolar na neve!

Te recomendo

Leve na bolsa protetor solar e uma garrafa de água. Também não deixe de tomar o café da manhã, e se você sofre com labirintite, te recomendo usar a sua medicação habitual ainda no hotel.


Dia 4. Cerro San Cristóbal + Santa Rita

Começamos o dia pelo Cerro San Cristóbal, o pulmão verde de Santiago. Já no parque, subimos de teleférico até o mirante onde você vai ter uma vista linda da cidade, e se quiser subir um pouco mais, até o Santuário, a vista é ainda mais bonita. No alto do cerro você vai ter tempo para contemplar, tirar fotos e provar uma empanada acompanhada de um mote con huesillo [que vale por um almoço]. Na volta, descemos de bondinho.

Continuamos com um passeio panorâmico pelas ruas do bairro de Bellavista e paramos no Patio Bellavista para o almoço. Dali,  seguimos para a vinha Santa Rita. Com mais de 3.000 hectares plantados nos vales do Chile, hoje a Santa Rita é uma das líderes do mercado no país e uma das mais admiradas no mundo. Ela também tem uma forte presença na Irlanda, Brasil, Estados Unidos, Canadá, Japão, China, Dinamarca e Holanda.

Santa Rita

A vinha se encontra nos pés da Cordilheira dos Andes, tem uma paisagem lindíssima e ótima estrutura para receber os turistas. Tem também um valioso patrimônio, como a casona do fundador, o parque e a capela, declarados Monumentos Históricos. Além do Museu Andino, que mantém uma das mais importantes coleções sobre a cultura dos povos andinos, e o restaurante Doña Paula, eleito um dos melhores do Chile.

Um pouco da história

A Santa Rita foi fundada em 1880 por Domingo Fernández Concha que, assim como Don Melchor, importou variedades francesas de Bordeaux e as plantou no fértil vale de Maipo. A partir de 1980 a vinha passou a ser controlada pelo grupo Claro, que investiu em tecnologia e mão de obra especializada, dando um salto na qualidade dos seus vinhos e nas exportações. Em 1982 a vinha Santa Rita lançou o 120, uma exitosa linha de vinhos com ótima relação preço-qualidade, que já se mantém por três décadas.

Ícone: Casa Real Reserva Especial
Marcas famosas: 120 Reserva Especial, Floresta, Bougainville, Casa Real Escudo de Família, Medalla Real e Triple C.

O tour 

Tour Clasico tem duração de 1h e contempla um passeio guiado pelo jardim de variedades e  pelas plantações. O tour também contempla a visita pela adega “Dos 120 Patriotas”, onde a história dos valentes soldados que fizeram parte da independência do Chile é contada. O tour finaliza com a degustação de dois vinhos da linha reserva e um gran reserva. Depois da degustação o guia acompanha os visitantes até a loja, que é bem atrativa, com packs de promoções, linhas de vinhos limitadas e presentes artesanais.

De brinde você leva uma taça com a marca da vinha.


Dia 5. Emiliana + Valparaíso

A caminho do litoral, pela rota 68, a nossa primeira parada é na vinha Emiliana. O tour Orgânico é focado na agricultura e, durante um passeio pelas plantações, você vai saber por que os animais, insetos, flores, plantas e árvores fazem parte do entorno lindíssimo da vinha. Também vai entender qual a influência da lua no processo de plantio e colheita e o quanto a família Emiliana se preocupa e cuida dos seus trabalhadores. Mas a parte mais esperada é sempre a degustação e nela você vai poder provar o Coyam, um blend que já recebeu vários prêmios e que a cada colheita tem uma mescla única! Tá à venda na loja da vinha, que oferece a linha completa dos seus vinhos, além de mel e azeite que também são produzidos de forma orgânica.

O litoral do oceano Pacífico

Depois das delícias da vinha Emiliana, vamos a caminho das belezas do Oceano Pacífico. Pela rota 68, vamos a caminho das belezas do Oceano Pacífico. Já no litoral, a nossa primeira parada é na entrada da cidade de Viña del Mar, onde o Relógio de Flores nos dá as boas-vindas. Seguimos com um passeio panorâmico pela bela orla de Viña e depois, já em Valparaíso, fazemos uma parada na Caleta Portales – um tradicional mercado de peixes e frutos do mar e ancoradouro – onde pelicanos e lobos marinhos são as principais atrações do lugar para os turistas.

É hora do almoço e paramos em um dos restaurantes com vista para o mar e para os morros coloridos e caóticos de Valparaíso. A minha sugestão é provar a riqueza da gastronomia chilena em pratos como um caldillo de congrio, uma corvina a la sal ou um prebre de piure, acompanhados de um fresquinho vinho branco ou rosé. Do restaurante, seguimos até o Cerro Concepción, onde fazemos um passeio a pé entre suas ruazinhas, suas casas coloridas e seus murais. Descemos para a parte plana de Valparaíso de bondinho e fazemos um passeio panorâmico pelas ruas históricas da cidade, chegando até o Porto. Voltamos beirando o mar, e dependendo do período do ano dá para contemplar o belíssimo pôr do sol.

Saiba

A caminho do litoral está o Vale de Casablanca e as vinhas Casas del Bosque, Matetic, Viñamar, La Recova, Bodegas Re, entre outras. Se você quer conhecer outras vinhas, além da Emiliana, te recomendo fazer um dia todo de enoturismo.

Recomendo

Esse é um dia de várias paradas e caminhadas pelos morros de Valparaíso, te recomendo o uso de  roupa e calçado confortável, e um casaco corta-vento.


Dia 6. Portillo

Dia de andanças até o centro de esqui Portillo – que está a 3.220 msnm e quase na fronteira com a Argentina. Portillo é um completo centro de esqui com hotel e dezenove pistas com diferentes graus de dificuldade, ideal para quem quer aprender e para quem já tem experiência em esquiar.

Mas o passeio #fériasnochile até Portillo é apenas contemplativo e vale pelo belíssimo e surpreendente caminho cercado pelas montanhas da Cordilheira dos Andes. A estrada que leva até o centro de esqui é o Paso Los Libertadores: um sinuoso caminho que vai serpenteando e subindo as montanhas, e a mesma que leva até Mendoza, no país vizinho.

Algumas das belezas do caminho são o conjunto de 29 curvas íngremes e em zigue-zague batizado de Los Caracoles e a Laguna del Inca, uma lagoa de água doce e cor esmeralda, acomodada entre as montanhas a 3.200 metros de altitude.

No inverno, a beleza natural do caminho é ainda mais surreal, com as montanhas cobertas pela neve.

Saiba

Até Portillo são 165 quilômetros e um tempo aproximado de 2h30 desde o centro de Santiago. No inverno a estrada pode ser fechada por motivos de segurança, eventualmente acontecem  tempestades de neve ou deslizamentos que bloqueiam o caminho. Para ter acesso as pistas de esqui de Portillo é necessário se hospedar no hotel.

Recomendo

Leve sempre na bolsa protetor solar e uma garrafa de água. Não deixe de tomar o café da manhã. Se você sofre com labirintite, recomendo usar a sua medicação habitual ainda no hotel.


Dia 7. Undurraga + a poesia de Isla Negra

A nossa primeira parada é na queridíssima Undurraga, no vale de Maipo. A vinha foi uma das primeiras a produzir espumantes no Chile e conta com a primeira sala de aromas do vinho do país, além de belos jardins, uma casona centenária e um museu dedicado à cultura Mapuche.

Um pouco da história

A vinha foi fundada em 1885 por Francisco Undurraga, que na época a batizou de Fundo Santa Ana em homenagem a sua esposa. O maravilhoso parque da vinha começou a ser construído em 1890, e o paisagista responsável foi o mesmo que criou o Parque Forestal, em Santiago. A Undurraga foi a primeira vinha chilena a exportar vinhos para os Estados Unidos, em 1903, colocando uma caixa de pinot noir em cada um dos 45 estados existentes na época. Entre os anos de 1960 e 1990 personalidades do mundo todo visitaram a vinha, como os reis da Bélgica e da Noruega, o ator francês Alain Delon, o astronauta estadunidense Neil Armstrong e presidentes de diversos países. Em 1997 a vinha se moderniza e, a partir de 2006, compra campos em outros vales do Chile, somando um total de pouco mais de 900 hectares.

Ícone: Altazor
Marcas famosas: Aliwen, T.H., Trama, Founder´s Collection, Vigno, Titillum, Sibaris, Undurraga Extra Brut e Brut Royal.

O Tour

O Tour Sibaris tem 1h de duração e contempla um passeio pelo parque da vinha, passando pelo espaço dedicado à cultura mapuche, pelos vinhedos e pelo jardim de variedades. O tour também contempla a visita nas adegas centenárias e finaliza com a degustação de quatro vinhos da linha Reserva. Depois, o guia acompanha os visitantes até a loja, que é uma das mais atraentes: além dos vinhos e espumantes, tem uma grande variedade de azeites, sal de mar, geleias e outras delícias. Tem também camisetas, bolsas, chaveiros e diversos “regalos” artesanais.

De brinde você leva uma taça com a marca da vinha.

A poesia de Isla Negra

Seguimos pela rota 78 a caminho da praia de Isla Negra. E não tem como falar de Isla Negra sem falar do poeta chileno Pablo Neruda. Las gaviotas: assim se chamava a praia onde Neruda escolheu para escrever uma das suas principais obras literárias. Era o ano de 1937. Depois de retornar de uma das suas tantas viagens, o poeta chegou em Las Gaviotas, tarde da noite, a cavalo e acompanhado de um marinheiro espanhol, dono de uma pequena casa de pedra em frente ao mar. Neruda buscava um lugar para escrever o seu afamado livro O Canto General, e aquela praia de mar azul e rochas negras conquistou o poeta. Neruda rebatizou o lugar com o nome de Isla Negra, comprou a pequena casa do marinheiro e logo, como escreveu: a casa foi crescendo, como as pessoas, como as árvores.

Em Isla Negra, Pablo Neruda encontrou a inspiração poética que buscava, foi onde ele escreveu uma parte importante da sua obra e acumulou a maior parte dos seus livros. Também foi onde ele se reuniu com os amigos e viveu até os últimos dias da sua vida, em companhia de Matilde, sua esposa, também chilena. Os dois estão enterrados no quintal da casa, frente ao mar.

Na casa museu estão expostos objetos que Neruda colecionou durante toda a sua vida, entre eles uma coleção maravilhosa de conchas, garrafas em formas estranhas, figuras de proa, réplicas de veleiros, entre outras coleções um tanto excêntricas do poeta. Tem também um bar onde ele celebrou a sua amizade com alguns poetas e gravou os seus nomes em vigas de madeira. A artista e cantora chilena Violeta Parra realizou oficinas de artesanato e folclore na casa de Isla, inspirada também pela beleza do azul do Pacífico que enamorou Neruda.

Recomendo

No quintal da casa tem o restaurante El Rincón del Poeta, com uma linda vista para o mar, e onde vocês vão poder provar a Poesia del Mar – uma degustação de diferentes preparações do oceano Pacífico. Depois do almoço podem fazer um passeio pelo povoado em volta da casa, onde tem lojas e artistas de rua, cada um vendendo a sua arte. As ruazinhas são de terra e cheiram a bosque misturado com a brisa do mar, e levam até a praia, onde o poeta está esculpido em uma grande rocha.

Saiba

A estrada que leva até Isla Negra é a Rota 78, no sentido oeste do país. O tempo de viagem até a Casa de Pablo Neruda é de 1h45 saindo do centro de Santiago, sem paradas e em dias de baixo movimento. Já no litoral, a estrada vai beirando o mar e é conhecida como la ruta de los poetas.


Orçamento e Reserva

Mande um e-mail para contato@feriasnochile.com ou mensagem para o whatsapp +569 9202-0351 e me fale o período da sua viagem e o número de pessoas. Se têm crianças, anote a idades. E se têm alguém que precise de cuidados especiais, também me fale, assim posso te oferecer uma melhor experiência de #fériasnochile 🙂

Sou Bete Veingartner e vou te mostrar as belezas e delícias do Chile de um jeito único!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.